UA / Covid-19: Reitor lembra que presença de alunos estrangeiros “depende do esforço de todos”

824
Universidade de Aveiro.
Dreamweb 728×90 – Video I

O “esforço” do ensino superior em proporcionar uma experiência presencial segura, no contexto atual de pandemia, “não se pode restringir às universidades: implica a colaboração dos vários setores da sociedade, do ensino à saúde, dos transportes aos serviços, da cultura ao desporto”.

Alerta deixado pelo reitor da Universidade de Aveiro num artigo de opinião, lembrando que o “sucesso neste combate depende do esforço de todos. E todos temos a ganhar com isso”.

O Governo tinha estabelecido como objetivo para o ensino superior a duplicação do número de estudantes internacionais, no período 2020-2023.

“Sabemos que a internacionalização é essencial para criar um ambiente académico multicultural, criativo e inovador, que proporcione experiências de vida únicas e aprendizagens mais ricas”, subscreve Paulo Jorge Ferreira.

O reitor lembra que na Universidade de Aveiro, a comunidade internacional tem hoje um peso de cerca de 25%. “Perto de 90 nacionalidades cruzam-se diariamente nos nossos campi. Não podemos nem queremos abdicar do que já conquistamos. Os estudantes também não”, refere.

O reitor dá conta do inquérito realizado pela Erasmus Student Network Portugal, onde a grande maioria dos estudantes em Erasmus sente que a mobilidade deve continuar, apesar dos constrangimentos impostos pela covid-19. Um outro estudo da Quacquarelli Symonds, que envolveu quase 30 mil estudantes, mostra que a generalidade dos inquiridos assume a retoma do seu programa de mobilidade no próximo ano letivo.

https://www.ua.pt/pt/noticias/13/63304