Tribunal dá última oportunidade a homem com recorrentes problemas com a GNR

431
Viatura de patrulha da GNR.
Smartfire 728×90 – 1

Um indivíduo de 57 anos foi condenado pelo Tribunal de Aveiro, esta sexta-feira, a três anos de cadeia, suspensa por igual período, por crimes de injúrias agravadas (5), ameaças agravadas (3), ofensas à integridade física (2) e resistência e coação (2) de que foram vítimas militares da GNR em Oliveira do Bairro, a quem vai ter de pagar uma indemnização.

O arguido é muito conhecido na localidade bairradina por reagir de forma violenta em estado de embriaguez quando solicitada a comparência da Guarda em cafés e pastelarias que frequenta. Este processo mais recente em causa dizia respeito a três situações.

No julgamento, acabaria por assumir todos os factos, que remontam ao primeiro trimestre de 2018, tendo sido absolvido apenas de dois crimes de injúrias agravadas.

Além da pena de três anos de prisão, o homem, operário fabril, terá de pagar mil euros a um dos militares da GNR e 400 a outro. A suspensão da pena fica condicionada, ainda, a tratamento médico especializado em alcoolismo, que já iniciou.

Para além de ameaças de morte e injúrias, em duas situações o homem partiu para agressões dos militares. Num caso, quando insistia em conduzir alcoolizado (acabaria por acusar 2,72 g/l) e no outro em pleno posto da GNR.

O agora condenado já tem outras penas suspensas por situações idêntica. “Chegou a um momento da sua vida que põe o pé em ramo verde e as penas são convertidas em efetivas, vai cumprir alguns anos de prisão”, avisou a juíza presidente, lembrando também a exigência de indemnizar os dois Guardas ofendidos. “São valores quase simbólicos, vai ter de pagar, e continuar o seu tratamento de alcoolismo. A comunidade não pode aceitar mais estas condutas, mas quer ajudá-lo a combater o problema. Não vamos ser mais condescendentes com os desvarios quando bebe”, concluiu a magistrada.

Publicidade, Serviços & Donativos