Retorno progressivo e incerto

297
Basquetebol.
Banner Ol. do Bairro – cultura – 728X90

O basebol em Taiwan, a NASCAR, o IndyCar e a UFC na América, a Busdesliga na Alemanha e o Campeonato Português já reiniciaram as suas atividades sem público nos palcos e com medidas sanitárias fortemente fiscalizadas. La Liga espanhola e o Calcio em Itália dão os últimos arranjos para retornar ao relvado, mas além desses desportos a volta a ação do resto das disciplinas desportivas é bastante incerto e ainda está a decidir-se.

Os desportos de maior público, a NBA, a MLB (basquetebol e basebol americano, respetivamente) e o futebol americano, ainda estão em discussões sobre a data e a modalidade na que vão voltar. Mudanças temporais de algumas normas, palcos vazios e jornadas intensivas de jogos, são algumas das propostas dadas em alguns casos e das medidas já praticadas em outros.

Plataformas como Betway acompanham aos seus utilizadores na modalidade de casino online, e já oferece os seus serviços para a Bundesliga, também esperam pelo retorno completo dos desportos para sentir por completo a experiência desportiva.

La Liga e a NBA

Dois dos desportos com maior público e com os adeptos mais animosos, ainda estão a espera de reiniciar. No que toca a La Liga de Espanha, já temos data para esta próxima quinta-feira, 11 de junho com o encontro Betis-Sevilla. Nos dias seguintes, chega a vez do Barcelona e do Real Madrid, que terão jogo o dia sábado, 13 de junho; primeiro o Real Madrid contra o Eibar e o Barcelona contra o Mallorca.

O panorama na NBA é incerto, os jogadores querem voltar e acabar a temporada, como é o caso de LeBron James, quem pede que os jogos sejam retomados o mais cedo possível, tendo em conta as medidas de higiene e distanciamento social. Para a MLB, o principal obstáculo é o desacordo entre os jogadores e as equipas em relação aos salários. A empresa Betway já oferece os seus serviços em apostas desportivas para os próximos jogos de futebol, como já o faz desde o 16 de maio, quando voltou a Bundesliga.

Jogos olímpicos

Os Jogos Olímpicos foram adiados para os meses de julho e agosto do próximo ano, já isso não é segredo, o problema que essa data não é certa, o COI quer ter a certeza de uma vacina para que os jogos efetuem-se com total segurança. De não ser assim, há grandes possibilidades de que os Jogos Olímpicos não tenham público.

O público não é o único problema do COI, já que só com os atletas, as suas delegações e comités a quantidade de gente que tem de manejar é imensa e requer uma fiscalização sanitária muito estrita, assim como espaço suficiente para se movimentar tranquilamente mantendo as distâncias.

A Vila Olímpica é um lugar onde se hospedam os atletas e todos o seus comités, o problema com a Vila Olímpica de Tóquio é retê-la e mantê-la, até agora 25% desse espaço já foi vendido; é bom lembrar que quase a totalidade do dinheiro gastado na organização dos Jogos Olímpicos são fundos públicos, quer dizer que sai dos bolsos dos contribuintes.

A ausência de público nos palcos pode dececionar parte do público, mas a maior parte dos ganhos por espetadores vem da televisão, 73% das receitas saem das vendas dos direitos de transmissão. Será difícil pensar na possibilidade de uns Jogos Olímpicos sem público, mas a televisão terá um ano para se adaptar e testar as suas possibilidades segundos as experiências nos atuais jogos de futebol sem adeptos.

Na espera que o mundo desportivo normalize por completo, a Betway oferece aos adeptos do desporto a possibilidade de acompanhar, mais de perto e com emoção, os jogos da Bundesliga, do campeonato português e os próximos jogos de La Liga. Mesmo sem estar nas bancadas, é possível sentir-se parte de uma equipa e experimentar a adrenalina dos partidos.

Publicidade, Serviços & Donativos

O Notícias de Aveiro tem canais próprios para informação institucional ou não jornalística, nomeadamente o canal ‘Comunicados’, assim como informação útil, promoções comerciais ou inclusão de referências publicitárias, como é o caso deste artigo, utilizando os canais ‘Iniciativas’, ‘Roteiro’ e ‘Aveiro Work Point’ »» ler estatuto editorial