O futuro da mobilidade é elétrico e capacitação tecnológica é a resposta para desafios do futuro

1118
Imagem site da BOSH.

As alterações climáticas são consideradas uma das maiores ameaças do século XXI. Numa tentativa de reverter esta tendência, as políticas europeias e mundiais têm vindo a exercer enormes pressões sobre a indústria dos transportes, para diminuírem emissões através da eficiência energética e/ou eletrificação dos automóveis.

Por Diogo Fula *

Neste contexto, surge o automóvel elétrico, outrora considerado um conceito distante, mas que representa hoje cerca de 2,2% do mercado global, com um crescimento anual na ordem dos 45%.

Uma evolução que obriga a mudanças estruturais no setor, já que os automóveis híbridos e elétricos não utilizam motores de combustão, ou utilizam versões otimizadas e mai scompactas destes motores.

Estas novas formas de propulsão incorporam menos componentes em ferro fundido e aço, privilegiando a utilização de peça sem alumínio, polímeros e compósitos, tanto nas estruturas como nos conjuntos de propulsão.

A par desta mudança de paradigma ao nível dos materiais utilizados, as próprias peças necessárias para fazer os grupos de propulsão elétrica e híbrida não são as que eram convencionalmente produzidas pelo setor.

Sustentabilidade e eficiência são os grandes objetivos

Estas mudanças, associadas à crescente maximização da eficiência e sustentabilidade através da utilização de materiais leves e eletrificação da propulsão,suscitam uma alteração na tipologia de componentes necessários, para os quais a indústria terá de se adaptar a médio/longo prazo.

Estas novas peças de eletrónica de potência dependem da aplicação de novas tecnologias, essenciais para cumprir as necessidades e especificações de novos produtos e materiais.

A mobilidade elétrica também exige repensar os processos envolvidos na produção destas peças.

É possível antecipar que muitos dos produtos produzi-dos atualmente pelas empresas do setor vão diminuir drasticamente, ou até mesmo desaparecer num prazo de 5 a 10 anos, em detrimento de novas famílias de componentes.

Em Portugal, a tecnologia para fabrico de peças em ligas de alumínio mais praticada é a fundição injetada e existem várias empresas especializadas na produção de componentes automóveis para motores de combustão, transmissão e chassis por esta tecnologia e existem várias empresas especializadas na produção de componentes automóveis para motores de combustão, transmissão e chassis por esta tecnologia. No entanto, estas evidenciam ainda quer a necessidade de desenvolvimentos científico-tecnológicos, quer a necessidade de elevados investimentos em linha com as atuais necessidades/requisitos de mercado para a produção de peças estruturais.

O mundo está a mudar e o setor dos transportes também, exigindo das empresas a capacidade de adaptação a novas realidades.

* Responsável pelo desenvolvimento de negócio na área das tecnologias avançadas de fabrico do INEGI – Instituto de Ciência e Inovação em Engenharia Mecânica e Engenharia Industrial. Adaptado de artigo publicado na revista Infometal de Novembro.

Publicidade, Serviços & Donativos