Hospital de Aveiro com quase 160 pacientes Covid-19 / 24 óbitos na última semana obrigam a medidas

5726
Urgências do Hospital de Aveiro.

O Hospital de Aveiro tinha, esta manhã, 150 doentes Covid-19 internados em enfermaria e 9 doentes internados na Unidade de Cuidados Intensivos (UCI).

A informação disponibilizada num ponto de situação difundido pela administração do Centro Hospitalar do Baixo Vouga (CHBV) dá conta ainda que nos últimos cinco dias faleceram 24 pessoas com Covid-19 num total de 47 óbitos obrigando a tomar medidas para aumentar o espaço necessário, e as respetivas condições, para diligências médico-legais.

A “gestão de vagas”, explica o comunicado, “é feita diariamente, sendo que, havendo necessidade, há capacidade para alargar, no imediato, os internamentos em enfermaria.”

Nos cuidados intensivos, “para além da gestão nacional em rede que tem vindo a ser feita, tem contribuído para a gestão das 10 camas” existentes, a Unidade de Cuidados intermédios (capacidade para 8 doentes).

Dos 9 doentes internados ao dia de hoje na UCI, 5 tem idade compreendida entre os 60 e os 69 anos, sendo que 4 são do sexo masculino e 1 do sexo feminino.

Situação no Serviço de Urgência (SU) a 19 de Janeiro

» 32% dos episódios de urgência foram relativos a patologia respiratória (82 adultos e 17 crianças);

» Das 68% de pessoas que recorreram ao Serviço de Urgência com outras patologias, 33 foram atendidas na Urgência Pediátrica e 181 na Urgência de Adultos;

» Realizados no CHBV 217 testes à Covid-19, sendo que 27% testaram positivo.

Situação na morgue

» O CHBV dispõe de um espaço próprio, com as condições necessárias, para receber os cadáveres oriundos dos internamentos, SU e do exterior (com necessidade de autópsia). Para além de uma capela e de salas de trabalho, dispõe de uma câmara frigorífica com capacidade para 8 corpos, cabendo ao hospital sua manutenção. Um espaço é cedido a título de co-ocupação e de forma gratuita ao Instituto de Medicina Legal, para que os seus colaboradores possam nele levar a cabo as necessárias perícias legais, entre elas, as autópsias.

» Desde a última semana, a mortalidade, nos hospitais tem crescido de forma acentuada. No CHBV, nos últimos 5 dias faleceram 24 pessoas com COVID, num total de 47 óbitos, sendo que a morgue do CHBV recebe também cadáveres do exterior (que aguardam decisão de necessidade de autópsia) que, nos últimos 5 dias, foram 12;

» Existe, alegadamente, lista de espera nos crematórios e, alegadamente, por razões sanitárias, maiores dificuldades em agendar as cerimónias fúnebres, o que leva as agências funerárias a protelar o levantamento dos corpos;

Medidas tomadas

» Aquisição de um contentor frigorífico (com previsível colocação amanhã, quinta-feira, dia 21 de janeiro);

» O espaço da Capela já foi adaptado, tendo sido adquirida uma plataforma de acondicionamento de cadáveres, de forma a garantir a sua digna acomodação, enquanto aguardam o respetivo levantamento por parte das agências funerárias;

» De forma a garantir a integridade dos cadáveres à espera de decisão de autópsia, estes têm tido– como habitualmente – prioridade na ocupação da câmara frigorífica.

Artigo relacionado

Covid-19: Portugal com 219 mortes e 14.647 casos de infeção, novos máximos / Baixo Vouga tem mais 18 óbitos

Enfermeiros exigem reforço da contratação de profissionais

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) exigiu hoje “a continuação da contratação/admissão de enfermeiros com contrato por tempo indeterminado a todos os enfermeiros em vínculo precário (a termo certo e a termo incerto) no CHBV”, atendendo situação de “carência estrutural, acrescida pela conjuntura pandémica”.

Segundo nota sindical, a administração da unidade que agrupa os Hospitais de Aveiro, Águeda e Estarreja lançou ontem “um apelo aos enfermeiros sentido de se disponibilizarem para a realização de turnos fora do horário fixo aprovado.”

Uma “colaboração” que, espera o CHBV, “contribuirá grandemente para minorar o cansaço dos colegas, reforçar a segurança do doente e garantir que conseguimos assegurar os cuidados necessários.”

O SEP defende, “prioritariamente, de forma excecional e temporariamente definida” que seja feita a atribuição do Regime de Horário Acrescido aos enfermeiros, regime de trabalho legalmente consagrado na Carreira de Enfermagem, em vigor e voluntário, s”ignificativamente mais vantajoso e motivador para quem se disponibilizar a efetuá-lo.”

Artigos relacionados

Hospital de Aveiro com dificuldade em acomodar tantos cadáveres

Aveiro: Centro Hospitalar “sob pressão” e sem vagas nos Cuidados Intensivos

Publicidade, Serviços & Donativos