Homem acusado de cultivar canábis para clientes espanhóis em silêncio no tribunal

601
Tribunal de Aveiro.
Dreamweb 728×90 – Video I

Um homem natural de Anadia, radicado há vários anos em Espanha, remeteu-se hoje ao silêncio no início do julgamento por tráfico de droga que decorre no Tribunal de Aveiro.

O operário da construção civil de 53 anos está acusado no âmbito de um processo que resultou, em maio de 2017, na condenação de três pessoas (um casal de familiares e um agricultor) que cultivavam, alegadamente pagos pelo indivíduo, plantas de canábis dissimuladas em campos de milho num quintal em Avelãs de Caminho, concelho de Anadia.

Quando a GNR foi alertada, na sequência de danos causados por mau tempo, e começou a investigar, o arguido que está a ser julgado ausentou-se para Espanha, onde vendia a droga encomendada, tudo indica, por terceiros.

A cunhada e o marido foram condenados a cinco anos de cadeia efetiva. Quando cumpriam pena, um recurso reduziu o tempo de reclusão e, atualmente, estão já em liberdade.

Ainda no mesmo processo, um agricultor de 71 anos que terá ajudado o casal a plantar canábis foi condenado a um ano e meio de prisão, com pena suspensa, por cumplicidade no tráfico de droga.

Os arguidos terão plantado quase dois mil pés de canábis por duas vezes, em 2015 e 2016. Em tribunal, assumiram o cultivo, mas alegando não saberem que era droga, garantindo que o cunhado residente em Espanha lhes pediu o terreno para plantar açafrão.

Além do cultivo de canábis no quintal, era feita localmente a secagem com recurso a estufas instaladas em galinheiros e na própria residência, assim como embalamento e pesagem antes de seguir para Espanha.

A GNR ainda conseguiu apreender 1.600 plantas e um saco com cerca de 3,5 quilos de folhas de canábis (27 mil doses que poderiam render 177 mil euros).

Artigo relacionado

Prisão efetiva para casal que plantava canábis

Publicidade, Serviços & Donativos