Futebol / Taça de Portugal: Florgrade fez Beira-Mar ‘cair com estrondo’

1820
Florgrade - Beira-Mar (Taça de Portugal).
Dreamweb 728×90 – Video I

Dificilmente seria para o Beira-Mar um passeio a visita ao parque do Buçaquinho, em Cortegaça, Ovar, este domingo à tarde. Mas daí até se tornar num ‘pesadelo’ excedeu, certamente, os adeptos aveirenses mais pessimistas para este duelo entre equipas da mesma série do Campeonato de Portugal, que resultou na ansiada primeira vitória dos ‘corticeiros’, em época de estreia em competições nacionais, e um desaire dos visitantes como ainda não tinha acontecido (com vídeos dos golos).

A Florgrade atirou a equipa ‘amarela e preta’ borda fora da Taça de Portugal na primeira ronda ao marcar os seus três golos, quase de rajada, na segunda parte, estando com menos um jogadores desde os 19 minutos de jogo. Os visitantes reduziram já em estado de desespero, o que também pode não ter ajudado a converter uma grande penalidade em cima do tempo regulamentar, que poderia relançar o jogo com 13 minutos ‘extra’ pela frente. O clube empresa na sua estrutura faz história, tendo agora pela frente o Paredes, que foi a Santa Maria da Feira eliminar o União de Lamas nas grandes penalidades (2-4), após uma igualdade a dois golos no fim do tempo regulamentar.

Em relação às partidas anteriores, a equipa da casa apresentou-se com quatro mudanças, enquanto o Beira-Mar mexeu mais, mantendo apenas quatro jogadores.

Equipas iniciais:

– Florgrade: Gonçalo Batista; João António, Raínho, Edu Silva, Marco Soares; Fábio Vieira, Sancho, Pedro Silva, Roberto; Ibra Koneh e Poulson.

– Beira-Mar: Bozinoski; Tiago Melo, Breda, Pedro Santos, Mário Mendonça; Zé Lopes, Rui Sampaio, Vieirinha; Luka Oliveira, Marcelo Santiago, Bernardo Lourenço.

Ficha do jogo a atualizar via FPF.pt.

Ao intervalo, o nulo refletia o equilíbrio em oportunidades flagrantes de golo, ainda que os locais, naturalmente mais adaptados ao terreno de jogo e a querer ‘mostrar serviço’ rapidamente, tenham sido quem mais ‘assediou’ à baliza contrária, enquanto o Beira-Mar procurava trocar a bola em futebol mais apoiado. Assistiu-se a um início intenso, que foi sendo quebrado por faltas de parte a parte. Ao segundo lance de perigo da equipa da casa, Edu cabeceou a bola à trave. Surgiu a expulsão de Fábio Vieira (vermelho direto por entrada pelas costas), que parecia um revés para os ‘corticeiros’, mas na prática o Beira-Mar não soube tirar partido da vantagem numérica, com mérito também para o adversário que soube ‘fazer das tripas coração’. Os locais ainda se assustaram aos 36 minutos com um desvio rasteiro de Santiago, que saiu junto ao poste, após cruzamento da direita de Luka. Perto do apito para ‘descanso’, Pedro Silva finalizou com remate às malhas laterais um contra-ataque, deixando os adeptos aurinegros novamente inquietos.

O treinador Miguel Valença não perdeu tempo e no reinício da partida colocou em campo o extremo Diogo Tavares, mas as segundas partes continuam a revelar-se problemáticas para o Beira-Mar esta época. Começou com a ‘baixa forçada’ do central Pedro Santos, que ficou ficar muito contundido devido a um choque na face, sendo necessário receber assistência hospitalar. Depois, assistiu-se à fase endiabrada da equipa da casa, que em 12 minutos marcou por três vezes. Aos 57 minutos, Ibra Koneh passou entre os defesas, desviando rasteiro para o fundo da baliza. Primeiro golo em provas nacionais do Florgrade.

Num outro lance de ataque, o ponta-de-lança dos Camarões caiu na área numa disputa de bola com Zé Lopes, que o árbitro considerou faltosa (4ª grande penalidade esta época contra o Beira-Mar).

Marco Soares não desperdiçou, empolgando ainda mais os adeptos locais que festejaram a todo o fôlego o terceiro golo, aos 69 minutos, num remate irrepreensível, de fora da área, descaído na direita, de Ben Koneh, irmão de Ibra, que tinha acabado de ser lançado no jogo por André Ribeiro.

Quase ‘encostado às cordas’, o Beira-Mar teve de recorrer ao inevitável ‘chuveirinho’ entremeado de remates à baliza, chegando ao golo de ‘honra’, que foi apontado aos 83 minutos por Breda (primeiro da época), após atraso precioso de Cícero. A equipa visitante até poderia ter relançado o jogo, não fosse Gonçalo, jovem habitual suplente, defender uma grande penalidade apontada por Diogo Tavares a castigar ‘carga’ sobre Cícero. Execução muito denunciada do extremo aveirense, que o guarda-redes da casa ainda largo, afastando à segunda.

A reação, apesar de tardia, mereceu, ainda assim, um aplauso final dos adeptos aveirenses que assistiram ao segundo jogo seguido da equipa sem vencer, o que se antevê difícil de ‘digerir’ nos próximos dias.

Sanjoanense e Lourosa seguem em frente

Num duelo entre equipa da Liga 3 (série A), a Sanjoanense foi à Bairrada elimiar o Anadia FC. Após um empate 2-2 no tempo regulamentar, a equipa de São João da Madeira esteve melhor nas grandes penalidade (6-7). Nos outros jogos envolvendo equipas da região, o Rebordosa (CdP) afastou o ADC Lobão (distrital de Aveiro) por 2-1 e Lusitânia de Lourosa goleou inapelavelmente o SC Régua, da distrital de Vila Real (10-0).

Jogos e resultados da Taça de Portugal via Zerozero.pt

Publicidade, serviços e donativos

» Está a ler um artigo sem acesso pago. Faça um donativo para ajudar a manter o NotíciasdeAveiro.pt de acesso online gratuito;

» Pode ativar rapidamente campanhas promocionais, assim como requisitar outros serviços.

Consultar informação para transferência bancária e aceder a plataforma online para incluir publicidade online.