Futebol distrital: Se dúvidas houvesse…

1619
Beira-Mar - Bustelo.
Dreamweb 728×90 – Video I

O Beira-Mar consolidou a liderança do principal campeonato distrital ao golear o Bustelo (5-1), este domingo à tarde, em Aveiro, a contar para a 21ª jornada.

Ficha e vídeo

Após uma exibição de gala, incluindo golos de belo efeito, a justificar plenamente o estatuto de melhor equipa, os aurinegros ‘cavaram’ um pouco mais o fosso para o seu adversário mais próximo (sete pontos) na luta pelo primeiro lugar, o único que dá direito à promoção.

O regresso de Artur ao onze titular após lesão fez muita diferença, para melhor, principalmente nos lances ofensivos. O médio dispôs, logo aos três minutos, de uma boa oportunidade, com o remate cruzado a sair junto ao poste.

Os visitantes reagiram bem e aos sete minutos colocaram-se em vantagem. A defesa da casa alivia um livre da esquerda para a grande área, mas na sequência da insistência, do lado contrário, o central Nuno Martins cabeceou em bom estilo. Tem sido quase uma maldição do Beira-Mar nos últimos jogos sofrer o primeiro golo. E o segundo esteve muito perto de acontecer, num ‘chapéu’ de Diogo que falhou o alvo.

Mas a resposta aveirense ao jogo mais direto do Bustelo não tardou: Aparício, de primeira, na grande área, obrigou Penetra a defesa apertada com os punhos.

A pressão local intensificou-se. Diego, por duas vezes, de cabeça, levou perigo à baliza dos oliveirenses

O golo da igualdade surgiu ao passar do quarto de hora, após um canto da esquerda apontado a meia altura por Artur. Marcão fez o desvio ao primeiro poste, com a bola a sobrar para Rodrigo que só teve de meter o pé. O ponta de lança brasileiro esteve perto de ‘bisar’, com um remate para mais uma defesa de Penetra.

Num boa fase do Beira-Mar, o último reduto visitante viveu momentos de muito aperto e acabou por assistir-se à ‘cambalhota’ no marcador. Aparício, à segunda, não perdoou, com um remate eficaz a cruzamento da esquerda de Ricardo Ferreira.

Até ao intervalo, o Beira-Mar baixou o ritmo permitindo alguns ensaios ofensivos do Bustelo, sem problemas de maior.

O descanso seria aproveitado pela direção fazer várias homenagens, com a equipa de iniciados a passar pelo relvado, assim como a Irmandade do São Gonçalinho. A surpresa maior estava guardada para a presença de Fusco, o antigo capitão, que exibiu aos sócios a réplica da Taça de Portugal conquistada há 20 anos.

Amarelos do Norte sem ‘armas’ para travar ‘poder de fogo’ local

O Bustelo veio desconcentrado para a segunda parte e deu facilidades defensivas no lance que permitiria a Rodrigo aparecer sozinho, ampliando a vantagem, com um desvio de cabeça.

A equipa de Aveiro conseguiria naturalmente alcançar a goleada aos 68 minutos, num remate em jeito de Mathieu, fora da área , aproveitando o adiantamento do guarda-redes, que levou os adeptos locais ao rubro.

O Bustelo ainda fez algumas, escassas, incursões atacantes, sem consequências, com o ponta de lança Mário, melhor marcador do campeonato, a continuar estranhamente apagado.

Do lado contrário era tudo mais fácil. Alex fez o resultado final. O médio surgiu em boa posição na área, após contra ataque, ainda perdeu num primeiro momento para um defesa, mas a bola caprichosamente voltou aos seus pés, não desperdiçando à segunda.

Declarações dos treinadores

“Gostei da nossa primeira parte. Entrámos melhor que o Beira-Mar. Tivemos uma clara oportunidade para fazer o 0-2, que poderia deixar o nosso adversário algo intranquilo. Não merecíamos sair a perder para o intervalo. O terceiro golo é precedido de falta. Depois a nossa equipa animicamente foi-se abaixo. Cometeu erros. Mas não merecia um resultado tão pesado. O Beira-Mar é muito forte e o mais provável campeão. Não somos candidatos” – Miguel Oliveira, treinador do Bustelo.

“Fizemos um jogo muito competente. Banalizámos o Bustelo, que é uma grande equipa. Sofremos mais um golo a frio, mas estamos fortes e as coisas saíram bem. Fomos eficazes e com superioridade total. São apenas mais três pontos. Alargámos a vantagem, que é importante. A vitória foi meritória e espelhou bem o que se passou em campo” – Cajó, treinador do Beira-Mar.