Futebol / CdP: Do inferno ao céu (Beira-Mar 3 – S. João de Ver 1)

2105
Elsinho desbloqueou jogo com S. João de Ver (Foto do Facebook do Beira-Mar).
Dreamweb 728×90 – Video I

O Beira-Mar venceu, este domingo à tarde, em Aveiro, o S. João de Ver por 3-1, em partida a contar para a 16ª jornada da Série D do Campeonato de Portugal, conseguindo aproximar-se da Sanjoanense, que segue em quinto lugar, a dois pontos.

Já os forasteiros, que desperdiçaram a oportunidade de ultrapassar o Lourosa no terceiro lugar, quebraram um ciclo de oito jogos sem perder (primeira derrota nas sete partidas orientadas pelo técnico Nuno Pedro).

Os aveirenses entraram muito mal no jogo, mas deram a volta por cima ainda na primeira parte, indo para o intervalo em vantagem (2-1). E mesmo quando ficaram em inferioridade numérica, à entrada do último quarto de hora, não só não comprometeram o resultado, como ainda dilataram o marcador.

Em relação ao onze escalado para o jogo disputado em Canelas a meio da semana (derrota por 2-0), verificou-se o regresso de Dieguinho e as chamadas à titularidade de Elsinho e Bernardo. Sory, que teve uma exibição para esquecer na partida anterior, nem sequer foi convocado.

Os visitantes, que surgiram com a mesma equipa com que se apresentaram na vitória caseira sobre o Anadia (2-0), excepto para a entrada de Alex como titular, acabariam por chegar à vantagem aos 11m. Um lance na área que levou a bola da esquerda para a direita. Elísio devolveu ao centro onde o ponta de lança Marcelo Santiago recolheu de costas para baliza e rodou, desferindo um remate rasteiro longe do alcance de Gabriel Souza.

O guarda-redes local redimiu-se com duas defesas apertadas. Primeiro, afastando um desvio de Pedro Santos na sequência de canto da esquerda. Depois, ao segurar mais um remate rasteiro de Marcelo, numa assistência de Miguel Silva.

O Beira-Mar conseguiria restabelecer a igualdade contra a corrente do jogo. No seu primeiro lance de maior perigo, Aparício, perto da linha, cruzou atrasado para a meia lua, onde o médio Elsinho ‘fuzilou’ sem dar hipótese de defesa, convertendo o seu segundo golo.

Aliviados da pressão, os aurinegros mostraram a eficácia que faltou em outras partidas, consumando a reviravolta aos 37m. A bola foi colocado por Dieguinho do meio campo na direita, Aparício combinou com João Nogueira que devolveu, um defesa intrometeu-se e atirou contra Aparício. A bola acaba nos pés de Diogo Tavares, que rematou de primeira (segundo golo na prova).

12 minutos bastaram para o Beira-Mar sair do inferno e obrigar o S. João de Ver a correr atrás do prejuízo, que surgiu no reinício da partida com ‘reforços’ vindos do banco. Ka Semedo, colocado a par de Marcelo Santiago, não tardou a causar perigo, num desvio de cabeça que saiu junto ao poste.

Os malapeiros, forçados a jogar mais adiantados, davam espaço a contra ataques e cometiam alguns erros. Numa perda de bola, Aparício desmarcou Diogo que arrastou dois defesas até à área, acabando por terra. O árbitro nada assinalou.

Depois seria Dieguinho a fazer uma assistência para Zé Pedro, mas o remate do extremo saiu ao lado. O mesmo Zé Pedro iria proporcionar a Garruço, recém entrado, uma boa oportunidade na pequena área, a terceira da segunda parte, mas Miguel Silva foi mais rápido a desviar para canto.

A vida do Beira-Mar complicou-se com a expulsão de Aparício, à entrada do último quarto de hora (segundo amarelo, num critério disciplinar discutível).

A vantagem numérica favorecia nesta altura o S. João de Ver, que esteve perto de igualar na sequência de um cruzamento da esquerda, com Gabriel Souza a agarrar a bola à segunda.

Mas a equipa da casa defendeu-se bem das investidas, que se iriam prolongar nos 9 minutos de tempo extra com muitos nervos à mistura, de parte a parte.

Num lance, Emanuel quando corria para fora do campo atrás da bola acaba por atirar o treinador Ricardo Sousa ao chão. Ambos viram carta amarelo.

O S. João de Ver em busca da igualdade ficava à mercê dos contra ataques. Ao segundo ensaio, o Beira-Mar fez KO. Uma recuperação de Rui Sampaio, que serviu Romário. Este, do meio campo da casa, desmarca Sylla que vendo o guarda-redes a sair ao seu encontro faz um chapéu e, com tempo para tudo, só teve de levar a bola até à baliza e colocar no fundo das redes (estreia a marcar).

Ficha

Beira-Mar

Gabriel Sousa
João Nogueira
Romário (Rui Sampaio, 87m)
Edgar Almeida
Berna
Ivo Lemos
Elsinho (Caio Sena, 80m)
Aparício
Dieguinho (Garruço, 64m)
Zé Pedro (Sylla, 87m)
Diogo Tavares (Leandro Vieira,87m)

Suplentes: Pedro Soares, Miguel Anjos, Caio Senna, Garruço, Sylla, Leandro Vieira.

Treinador: Ricardo Sousa

S. João de Ver

Leo
Ruben (Edu, 45m)
Pedro Santos
Emanuel
Miguel Silva (Yonder, 71m)
Maurício (Ibraima, 45m)
Alex (Ka Semedo, 45m)
Aranha
Elísio (Milhazes, 61m)
Vieirinha
Marcelo Santiago

Suplentes: Filipe Dinis, Nuno Martins, Edu, Milhazes, Ibraima, Yonder, Ka Semedo.

Treinador: Nuno Pedro

Árbitro: Humberto Teixeira (AF do Porto)

Ação disciplinar

Cartões amarelos: Romário (15m), Aparício (58m), Aparício (73m), Zé Pedro (87m), Emanuel (90+1), Marcelo (90+3)

Cartão vermelho: Aparício (73m).

Mais informações a atualizar pela ficha da FPF

Declarações finais

“Entrámos com muita concentração e competitivos. Ficámos em vantagem com mérito e justiça. Tivemos mais oportunidades e não fizemos o 0-2. Depois a equipa talvez tenha pensado que o adversário estava encostado às cordas, ficamos desconcentrados. Sofremos o primeiro golo assim. Demos alento a uma equipa nervosa e ansiosa. O 2-1 é contra a corrente do jogo.
Retificámos na segunda parte, arriscámos na parte ofensiva, tivemos possibilidade de empatar, o Beira-Mar também criava situações. O 3-1 apanhou-nos balanceados no ataque.
Quem faz mais golos ganha. Parabéns ao Beira-Mar, foi mais forte. Somos avaliados por pontos, que precisamos para estar no lote dos cinco primeiros, como todos querem. Hoje não fomos felizes, também não fomos a equipa que temos sido até aqui.
O Beira-Mar defendeu-se com tudo, agarrou-se a tudo. Também complicámos um bocadinho. O Beira-Mar respeitou-nos mais do que nós em relação ao Beira-Mar, inconscientemente houve aqui um baixar da guarda comparativamente com o jogo anterior. Nada está perdido. O homem das derrotas sou eu, assumo sempre. Não éramos os melhores quando ganhámos, não somos os piores quando perdemos. Vai ser uma luta até ao fim” – Nuno Pedro, treinador do S. João de Ver.

Nota do editor: Como tem acontecido esta época, o Beira-Mar não encaminhou o seu treinador principal para o comentário ao jogo (conferência de imprensa que é habitual mas não obrigatória no CdP). O clube optou por enviar o guarda-redes que foi suplente na partida deste domingo, Pedro Soares, o qual não motivou, por razões óbvias, interesse editorial para recolhermos a sua análise em relação à partida. Ressalvamos que tal não resulta de qualquer desconsideração pessoal pelo profissional em causa, a quem foi atribuída a tarefa de prestar declarações aos jornalistas. Uma posição que transmitimos à direção do Beira-Mar.

S. João de Ver atrasa-se, Beira-Mar aproxima-se

Com a derrota sofrida em Aveiro, o S. João de Ver segue em quarto lugar (27 pontos em 16 jogos), a um ponto do Lourosa (15 jogos), que não foi além de um empate 1-1 em Águeda, na estreia do treinador António Dias (Tonau) à frente dos ‘Galos’.

O Anadia, que foi ganhar a Valadares (0-2), afasta-se na segunda posição (32 pontos em 15 jogos). O líder Canelas ganhou pela margem mínima na receção ao Lusitano de Vildemoinhos, somando agora 35 pontos.

O Beira-Mar (14 jogos) é sexto, com 23 pontos, a dois da Sanjoanense que empatou 1-1 na receção ao Espinho.

(em atualização)

Resultados e classificação em https://www.zerozero.pt/edition.php?id_edicao=147540

Publicidade, Serviços & Donativos