Feira / Cultura: Dueto de corpos numa dança sem filtros

416
Bailarinas Diana Niepce e Mariana Tengner.
Dreamweb 728×90 – Video I

As coreógrafas e bailarinas Diana Niepce e Mariana Tengner unem-se numa dança improvável de corpos cobertos de purpurina que pretendem construir, juntos, um universo paralelo onde todas as defesas sociais desaparecem para dar lugar ao verdadeiro ser.

O espetáculo, que estreia em Santa Maria da Feira, conta com adaptação, em folhas de sala e serviço de audiodescrição, para cegos e pessoas com deficiência visual.

Uma criação de dança contemporânea de corpos siameses que se constroem num universo paralelo protagonizando um dueto dessincronizado.

É esta a proposta de Diana Niepce e Mariana Tengner que apresentam ‘Raw a Nude’ no Cineteatro António Lamoso no próximo dia 16 de fevereiro às 22h00.

O espetáculo, com estreia em Santa Maria da Feira, usa o corpo, a dança, o vídeo, a voz, o som e a música electrónica em tempo real, ao vivo, como ferramentas da experimentação e improviso. Dois corpos metalizados em purpurinas incandescentes reagem ao sonho e à formatação transformando-se em divindades ‘monstruosas e poderosas’.

“A vida é tua. Esta perfeita monstruosidade que nos prende a um filtro social ficcional. Não te feches numa submissão escura. Olha. Escuta. Enfrenta. A indiferença pela diferença. Somos todos demónios. E a luz paradisíaca de uma antítese deste corpo democrático, estranhamente estranho”, descrevem as artistas.

Prosseguindo a aposta na abrangência de públicos, o Cineteatro António Lamoso incorporou no espetáculo o serviço de audiodescrição e procedeu à criação de uma folha de sala única contemplando, no mesmo suporte, informação acessível para todos, em que se inclui texto em braile. Será introduzida uma “faixa narrativa adicional para os cegos e pessoas com deficiência visual”, para que possam desfrutar dos conteúdos visuais, sendo que durante a apresentação o narrador descreverá o que está a acontecer (e não é perceptível através da audição).

Diana Niepce é bailarina, coreógrafa e escritora, formada na Escola Superior de Dança e com Pós-Graduação de Arte e Comunicação. Autora do conto infantil Bayadére, foi júri do Prémio Acesso Cultura 2018 e do festival internacional de vídeo-dança Inshadow 2018. Já Mariana Tengner Barros é coreógrafa e perfomer, com trabalho apresentado pela Europa e América do Sul. Licenciada em dança pela Northern School of Contemporary Dance em Leeds, Inglaterra, estagiou no Ballet Theatre Munich, na Alemanha. É diretora artística d’A BELA Associação, integra a banda Kundalini XS e é parte do coletivo/editora Cuscus Discus.