Famílias numerosas/ Alívio na retenção de IRS: Medida “é demagógica e enganadora”

757
Famílias.
Dreamweb 728×90 – Video I

O alívio na retenção da fonte do IRS acabou de ser apresentado como um benefício, por possibilitar às famílias terem ao final do mês mais rendimento disponível.

Por Rita Mendes Correia *

A APFN considera esta medida demagógica e enganadora, para além de traduzir várias perversões que prejudicam efetivamente as famílias portuguesas.

A medida é demagógica e enganadora porque na verdade o imposto não é reduzido, apenas é reduzida a retenção. Mais ainda, trata-se de uma mera operação cosmética pois, com as alterações das taxas de imposto, as famílias podem vir a pagar mais imposto no final. Reter menos imposto a montante nada tem a ver com o que é cobrado a jusante, pela aplicação das novas taxas de imposto.

A alteração à tabela de retenção evita apenas, de forma enganadora, que a família perceba que um aumento mensal do salário bruto poderá conduzir a uma efetiva redução do salário líquido mensal que a família leva para casa, apesar da existência de 3 ou mais filhos. Isto acontece porque cada euro extra de salário que entra é tributado exatamente da mesma forma, independentemente do número de pessoas que esse euro vai sustentar.

Se é verdade que com esta alteração as famílias podem ficar com mais rendimento disponível ao final de cada mês, também é verdade que o valor final do imposto não é alterado, pelo que o valor que têm a mais agora terão a menos no reembolso do IRS, ou em vez de reembolso poderão ter de pagar.

A medida traduz também perversões que prejudicam efetivamente as famílias ao invés de a beneficiarem, começando pelo próprio instituto da retenção da fonte que, na esmagadora maioria dos casos significa, por parte do Estado, uma cobrança a mais para depois devolver sem juros o que nunca deveria ter cobrado às famílias.

A APFN reitera que o modelo fiscal atual prejudica efetivamente as famílias com filhos, defendendo como justo o modelo fiscal que considere o número de pessoas que vivem do rendimento disponível, corrigindo a progressividade do imposto. O modelo atual, baseado nos descontos mensais com tetos máximos, esquece a realidade de base: quantas pessoas vivem do rendimento que entra numa casa, todos os cidadãos de igual valor, que merecem a mesma atenção e respeito da parte do Estado.

A APFN deu já conhecimento ao Governo e ao Parlamento a sua posição sobre a medida anunciada, pedindo uma alteração do próprio modelo fiscal que tem levado à asfixia financeira das famílias, sobretudo as mais numerosas.

* Presidente da Direção da Associação Portuguesa de Famílias Numerosas.

Publicidade, serviços e donativos

» Está a ler um artigo sem acesso pago. Faça um donativo para ajudar a manter o NotíciasdeAveiro.pt de acesso online gratuito;

» Pode ativar rapidamente campanhas promocionais, assim como requisitar outros serviços.

Consultar informação para transferência bancária e aceder a plataforma online para incluir publicidade online.