Estacionamento subterrâneo condiciona requalificação do jardim – movimento ‘Juntos pelo Rossio’

2101
Jardim do Rossio, Aveiro.
Dreamweb 728×90 – Video I

“O jardim do Rossio deve ser reabilitado, melhorado e requalificado, como estava descrito no manifesto eleitoral sufragado pelos eleitores, mas não destruído”. O apelo surge na “tomada de posição” do movimento ‘Juntos pelo Rossio’ tornada pública este domingo no âmbito da auscultação pública do estudo prévio proposto pela Câmara de Aveiro.

Sobre a instalação de estacionamento subterrâneo, é reafirmado que “existem alternativas” na cidade, “seja na zona próxima da antiga lota, seja através da maximização de utilização” de parques “claramente subutilizados, por exemplo o Parque do Fórum Aveiro, o Parque da Praça Marquês de Pombal, o Parque Edifício Ana Vieira, o Parque do Mercado Manuel Firmino e o Parque do Edifício Calçado de Guimarães”.

“ A Câmara conhece estas alternativas, não tendo, no entanto, apresentado qualquer argumento ou justificação quanto ao porquê de se optar pela solução do parque de estacionamento debaixo do Jardim do Rossio em detrimento das restantes alternativas operacionalmente viáveis”, questiona o movimento.

É criticada ainda a ausência de um inquérito de satisfação aos residentes, prévio à intervenção, “contrariamente ao compromisso assumido” na candidatura ao financiamento PEDUCA, bem a falta de ponderação de “outras formas de mobilidade, como se o automóvel fosse o único modo de chegar ao jardim do Rossio e ao Bairro da Beira-Mar”.

O movimento estranha ainda a ausência de estudos de avaliação de impacto, quer ambiental, quer ao nível do impacto da obra nas edificações envolventes, como também do impacto socioeconómico para os comerciantes e empresários locais durante o tempo de construção e também dos benefícios reais que este
projeto trará aos seus negócios.

Os cidadãos pedem à Câmara que requalifique o largo e jardim do Rossio “respeitando o espaço verde existente, sem o destruir, reforçando-o com as infraestruturas necessárias para que seja fruído pela população como espaço de lazer e de convívio, sem esquecer a sua relevância enquanto espaço de grande valor simbólico para a memória coletiva.”

E que “desista de levar a cabo a construção do parque de estacionamento subterrâneo”, por entender que “acarreta riscos significativos, ao mesmo tempo que condiciona em absoluto a configuração atual do jardim, tratando-se
de um projeto cuja necessidade não está demonstrada, existindo alternativas viáveis
quanto à sua localização”.

Entretanto, foi agendado para 29 de janeiro, às 21:00, na Escola Profissional de Aveiro, um novo debate público sobre o projeto de requalificação do Rossio, por iniciativa do A4 – Agrupamento Aberto de Associações de Aveiro com a presença do presidente da Câmara e do coordenador do projeto.

Excertos

A proposta apresentada para a organização e composição dos espaços verdes previstos no Projeto de Arquitetura Paisagista, que integra o Estudo Prévio para a Requalificação do Rossio está, logo à partida, condicionada pela proposta da construção do parque de estacionamento, que cria uma grande área impermeável e limita, por isso, as opções ao nível do desenho dos espaços verdes.

Tal como apontado no próprio Relatório Geotécnico – Implantação de Parque Subterrâneo no Rossio de Aveiro, 2018, o contexto geotécnico que está em causa nesta construção é desfavorável e constitui um exigente condicionalismo de projeto tendo em conta, sobretudo, os solos de baixa consistência, com duas a três dezenas de metros de possança, submerso. Foi ainda destacada por este estudo a necessidade de serem criados mecanismos de salvaguarda que visem proteger o património edificado envolvente dada a verificação de eventuais riscos inerentes a uma intervenção com estas características.
No mesmo sentido, o Projeto de Estabilidade – Fundações de Estabilidade – Fundações, Contenções e Estruturas- Rossio de Aveiro, 2018, alerta para o facto de que, atendendo em grande medida aos solos de baixa consistência, com entre 20 a 30 metros de possança, submersos, o cenário geotécnico que se apresenta é muito condicionante e desfavorável.

Consultar versão completa do parecer do movimento ‘Juntos pelo Rossio’

Comercio 780