Dia Mundial das Aves Migratórias: Aprender a migrar

1157
Aves migratórias (arquivo).
Comercio 780

Todos os anos milhares de aves migradoras cruzam os céus nas suas incansáveis viagens entre os locais de reprodução e os locais de invernada.

Por José A. Alves *

Este ano de 2022 esse evento foi assinalado pelas Nações Unidas no dia 14 de maio (Dia Mundial das Aves Migratórias), altura em que muitas aves já completaram ou estão prestes a completar a sua migração pré-nupcial ou primaveril.

Montanhas cobertas de neve. Várias aves voam. Por exemplo, na Islândia, o Ostraceiro (Haematopus ostralegus), ave que migra também para Portugal no inverno, tem vários casais já a incubar os seus ovos, sentados nos ninhos que são simplesmente uma pequena depressão no solo. Esta ave é um migrador parcial na Islândia, o que significa que parte da população migra para fora deste país a partir do final do verão, distribuindo-se pela área costeira do Reino-Unido, Irlanda e outros países da Europa continental e que outra parte da população é residente, resistindo como pode ao rigor do inverno, refugiando-se sobretudo na costa oeste, onde chega a corrente do golfo e em locais onde ocorre atividade geotermal e as temperaturas não são tão baixas.

Atualmente cerca de 30% destas aves são residentes, o que é excecional para essa latitude, e logo a grande maioria da população é composta por aves migradoras. Outro caso conhecido de uma ave migradora parcial é a cegonha-branca (Ciconia ciconia), em que parte da população migra para África, como era comum há várias décadas, mas atualmente há outra parte desta população que permanece em Portugal durante o inverno, residindo no nosso país todo o ano.

Mas regressando aos Ostraceiros Islandeses, uma das questões que se coloca é como adquirem estas aves o seu comportamento migratório? Sabe-se que os adultos são fixos, ou seja, uma vez migrador, sempre migrador e vice-versa. E também que não acasalam de acordo com as suas migrações, isto é, há casais em que ambos os membros partilham o comportamento migrador e noutros não, originando assim quatro tipos de casais: ambos migradores; ambos residentes; macho migrador e fêmea residente; e macho residente e fêmea migradora.

Para responder aquela pergunta, uma equipa internacional de investigadores que estuda esta população há vários anos, e da qual fazem parte investigadores do CESAM, decidiu tentar desvendar quais os fatores que podem determinar a origem do comportamento migratório nas crias dos vários tipos de casais e de progenitores.

Depois mais de 615 adultos e 377 crias marcadas na Islândia com uma combinação individual de anilhas de cor, semanas no laboratório a realizar análises de isótopos estáveis e sexagem molecular, e de centenas de avistamentos durante o inverno realizados por observadores voluntários pela Europa fora, a descoberta foi publicada o ano passado, decorridos 7 anos desde início destes trabalhos. As crias seguem o comportamento migrador do pai e não da mãe!

Em cerca de 90% dos casos analisados o comportamento das crias era o mesmo que o do pai, independentemente do comportamento migrador da mãe. Nos casais mistos, todas as crias seguiram o comportamento migrador do pai. Estes resultados devem ser considerados com cautela, pois apesar da grande amostragem, os dados analisados são ainda relativamente reduzidos. Contudo, esta informação sugere que o papel do pai, que nesta espécie cuida e alimenta as crias por um período mais alargado de tempo, (inclusive quando estas já são voadoras e capazes de se alimentar de forma independente) parece ser determinante na génese do comportamento migrador das suas crias. A equipa de investigação prossegue os seus trabalhos para tentar decifrar este surpreendente padrão na aprendizagem de comportamentos migratórios.

Pode seguir as suas descobertas sobre esta e outras aves migradoras no Twitter.

* Investigador no Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM) da Universidade de Aveiro. Artigo publicado originalmente no site UA.pt.

Publicidade, serviços e donativos

» Está a ler um artigo sem acesso pago. Faça um donativo para ajudar a manter o NotíciasdeAveiro.pt de acesso online gratuito;

» Pode ativar rapidamente campanhas promocionais, assim como requisitar outros serviços.

Consultar informação para transferência bancária e aceder a plataforma online para incluir publicidade online.

Comercio 780