Confessa 13 assaltos, mas acha que fez mais

823
Tribunal de Aveiro.

“Confesso. Se está aí, se há provas. Acho que ainda faltam mais”. Um homem, atualmente detido, assumiu integralmente, no início do julgamento, a autoria de 13 assaltos a residências e estabelecimentos em Aveiro, causando alguns milhares de euros de prejuízos.

O arguido, com antecedentes, responde por furtos por arrombamento de portas de casas, na maioria dos crimes, mas também comércio local e restaurantes, ocorridos durante 2017 e o junho de 2018.

Além de artigos, como computadores e televisões, o ladrão levava objetos de valor (ouro e prata) e dinheiro.
Numa das residências, o inventário do proprietário entregue à polícia dá conta de 2200 euros de prejuízo pelo furto de artigos em estanho, entre outros.

Segundo o arguido, os objetos de valor eram entregues a um sucateiro local que lhe pagaria. “Querem saber onde estão moedas de ouro, o cobre, chamem-no cá”, disse. “Eu era subornado para assaltar”, referiu.

Num assalto que correu mal, o homem foi surpreendido pelo dono de um restaurante, que o manietou até a chegada da polícia. O arguido queixou-se de ter sido “espancando” e impedido de receber assistência hospitalar. Acabaria detido. Libertado algum tempo depois, enquanto aguardava o desenrolar dos inquéritos, voltou aos assaltos até ser novamente posto na cadeia à espera de julgamento.

“Eu não andava bem da cabeça, por causa do álcool e das drogas”, afirmou ao justificar os assaltos.