Central fotovoltaica a criar na ‘extrema’ de Águeda e Mortágua inclui corredor até Anadia

1216
Mapa da instalação de central fotovoltaica.

O projeto para a instalação de uma central fotovoltaica nos limites serranos florestais dos concelhos de Águeda, Mórtagua e Anadia está a ser alvo de consulta pública até 7 de fevereiro no âmbito da elaboração do Estudo de Impacte Ambiental (EIA).

A produção florestal de eucalipto “marca de forma dominante a ocupação da área de estudo (99%)” para colocar 86.372 painéis fotovoltaicos, refere o resumo não técnico. Já o corredor para a linha elétrica acompanha a rede viária e outros espaços (indústria, comércio e instalações agrícolas).

O projeto de energia renovável solar aponta para a ocupação de uma área com cerca de 147,56 hectares, sendo que 19% diz respeito a implantação no solo (28,26 hectares).

Os “potenciais impactes ambientais” da construção da estação do Cabeço Santo, como é designada, decorrem da abertura de acessos exteriores, limpeza da camada vegetal superficial, instalação de estaleiro, circulação de maquinaria e equipamento pesado, abertura de caminhos internos, movimentações de terras (plataforma da subestação, caboucos para apoios e valas técnicas) e, entre outras, da instalação geral de todos os equipamentos (drenagem, cabos, infraestruturas, painéis, transformadores, subestação, colocação de cabos de linha elétrica, etc.).

Na fase de funcionamento da central e subestação coletora são antecipadas emissões de ruído e a produção de resíduos associados a ações de manutenção periódica.

Quanto estiver operacional, a central fotovoltaica terá um plano que permita minimizar a perda de áreas florestais, assegure manutenção periódica da infraestrutura/equipamento/área em causa e outras ações a definir pelo programa de monitorização da avifauna. Por exemplo, toda a extensão da linha serã sinalizada com dispositivos salva-pássaros.

O EIA garante que “as intervenções previsíveis na fase de construção irão ter efeitos negativos ao nível de vários fatores ambientais conduzindo em geral a impactes pouco significativos”. Na fase de funcionamento “é quando se irão sentir os principais impactes significativos do projeto”.

Características do projeto

» Com uma potência de 47 MW, estima-se uma produção média de cerca de 83 GWh;
» A produção elétrica será coletada numa subestação que elevará a tensão para transportá-la através de uma linha elétrica a ser construída para permitir a injeção na Subestação de Paraimo (REN), que fica a 15 km, no concelho de Anadia.

Mais informações sobre o EIA.

Central fotovoltaica.

Publicidade, serviços e donativos

» Está a ler um artigo sem acesso pago. Faça um donativo para ajudar a manter o NotíciasdeAveiro.pt de acesso online gratuito;

» Pode ativar rapidamente campanhas promocionais, assim como requisitar outros serviços.

Consultar informação para transferência bancária e aceder a plataforma online para incluir publicidade online.