Aveiro: Renault entra em ‘lay-off’

20484
Fábrica da Renault, em Cacia (Aveiro).

A Renault comunicou aos seus trabalhadores da fábrica de Cacia, em Aveiro, que a partir do dia 1 de Abril, e pelo período de um mês, aplicará o ‘lay off’ (suspensão temporária do contrato de trabalho com salário pago parcialmente pela Segurança Social), informa uma nota de imprensa do PCP concelhio.

A multinacional automóvel está sem laborar desde 18 de março devido situação de saúde pública atual, motivada pela pandemia do Covid-19, com gozo de férias e recurso ao ‘banco de horas’. A paragem terminaria este domingo. No entanto, está já assumido a paragem por mais um mês, afectando cerca de dois mil colaboradores.

O PCP de Aveiro contesta o recurso ao ‘lay off’. “A Renault Cacia a coberto da excepcional situação de saúde pública (Covid-19)que o país atravessa, e procurando salvaguardar, os seus lucros, põe os seus trabalhadores a pagar a crise, à custa dos atropelos aos seus direitos”, refere o comunicado, lembrando que a empresa “beneficiou de largos apoios comunitários e nacionais, com uma excelente saúde financeira” e nos últimos anos de 2017 e 2018 apresentou mais de 16 milhões de resultados líquidos.

A concelhia considera “que existem respostas que têm de ser dadas com a perspectiva de contenção do surto epidémico, mas os direitos e rendimentos dos trabalhadores têm de ser garantidos e exorta os trabalhadores a não abdicarem dos seus direitos”.

Artigo relacionado

Covid-19: Renault de Cacia suspende atividade fabril

Publicidade, Serviços & Donativos