Aveiro: BE contra habitação “a preços de luxo” na antiga lota

624
Antiga lota de Aveiro.
Dreamweb 728×90 – Video I

O Bloco de Esquerda “quer garantias” que os “terrenos públicos” da antiga lota do Porto de Aveiro “não sejam para vender a privados ou para construção a preços de luxo”.

Está a ler um artigo sem acesso pago. Faça um donativo para ajudar a manter o jornal online NotíciasdeAveiro.pt gratuito.

Artigo relacionado

Aveiro: Ribau Esteves confirma principio de acordo para a antiga lota

Uma tomada de posição assumida na sequência do presidente da Câmara ter revelado um acordo de princípio para a passagem dos terrenos para o município, possivelmente ainda antes das eleições legislativas.

O BE aproveita para recordar que “a autarquia já investiu, e prevê investir, milhões de euros de dinheiros públicos naquela zona para permitir a edificação futura”. Em alternativa, “defende que para aquela zona deve existir um plano de ordenamento territorial compatível com a sensibilidade e sustentabilidade ambiental do local e com os riscos das alterações climáticas”.

A ser criada habitação, “a mesma deve ser pública e destinada a arrendamento a custos controlados à chamada classe média como forma de disponibilizar habitação pública e de contribuir para condicionar a generalidade do mercado imobiliário em Aveiro, contribuindo para a baixa dos preços”, reclamam os bloquistas.

A finalizar, o BE “lamenta que os companheiros da especulação imobiliária – PS e PSD – se juntem novamente para destinar terrenos públicos a privados para habitação a preços de luxo”.

Por isso, “exige que PS e PSD – que representadas no governo e na autarquia negociam a transferência dos terrenos – se pronunciem sobre se querem alguma medida de política habitacional para o local ou se mantém a intenção de privatização da área”.

Siga o canal NotíciasdeAveiro.pt no WhatsApp.

Publicidade e serviços

» Pode ativar rapidamente campanhas promocionais no jornal online NotíciasdeAveiro.pt, assim como requisitar outros serviços. Consultar informação para incluir publicidade online.

Comercio 780