As 5 melhores conferências de imprensa de treinadores portugueses

419
Estádio de futebol.
Comercio 780

Os treinadores portugueses são alguns dos mais cotados no mundo.

Seja para fãs casuais, adeptos ferrenhos dos grandes, para quem faz apostas em futebol ou para quem pouca ligação tem ao desporto rei, é impossível não conhecer alguns dos grandes nomes nacionais.

A tarefa fica facilitada quando os treinadores portugueses têm momentos que se tornam virais, pelas melhores e pelas piores razões.

Reunimos as 5 conferências mais icónicas de treinadores portugueses, seja pela barreira linguística, pela sinceridade ou simplesmente pelas histórias.

Jorge Jesus – “Otchenta Otcho”

Corria a temporada de 16/17 e Jorge Jesus estava aos comandos do Sporting. A equipa de Alvalade tinha-se deslocado naquele altura a Madrid, onde fez um belo jogo contra o Real.

Os leões saíram do Santiago Bernabéu derrotados por 2-1, com a derrota a começar a desenhar-se apenas aos…88 minutos, sendo selada aos 90+4. Um balde de água fria para os adeptos de verde e branco.

Mas o espectáculo ainda não tinha terminado – faltava a flash interview. É aqui que Jorge Jesus, já conhecido pelas gafes em conferências de imprensa, decide começar a falar Espanhol.

Não se pode dizer que o técnico leonino não tenha entrado com tudo, tendo logo referido que “o Sporting fez un partido muy fuerte durante otchenta otcho minutos”.

Vale a pena ouvir o resto das declarações de Jorge Jesus.

Vítor Pereira – “Ai spik de tru”

Após a conquista do tricampeonato pelo Porto em Maio de 2013, Vítor Pereira assinou um contrato de 2 anos para treinar o Al-Ahli, equipa da Arábia Saudita.

Imaginamos que o projecto tenha sido desafiante, não apenas pelo futebol, mas também pela cultura e protocolos diferentes.

Isto ficou evidente numa conferência de imprensa em que Vítor Pereira começou por falar num jogador que tinha sido um mau profissional, por culpa de uma lesão que provocou a um jogador do Al-Ahli.

O assessor de imprensa interrompeu imediatamente o técnico português, dizendo-lhe para falar apenas do jogo e não de jogadores em particular.

Nesse momento, o caldo entornou, com Vítor Pereira a explicar que diz o que viu, não o que querem que ele diga. O que torna um momento tenso tão engraçado é a pronúncia serrada do ex-técnico do Porto.

Foi assim que pérolas como “I speak what I saw,”, “kid reaction” ou “I speak with the truth” ficaram na memória colectiva.

Paulo Bento – “Com tranquilidade”

No caso de Paulo Bento, não falamos de uma única conferência de imprensa.

Nos anos em que orientou o Sporting e a selecção portuguesa, este treinador ficou conhecido pela sua linguagem corporal e por analogias como “se a minha avó tivesse rodas era um camião”.

No entanto, houve uma muleta linguística que Paulo Bento utilizou em várias conferências de imprensa e que se tornou na sua imagem de marca – “com tranquilidade”.

Não importava se o resultado tinha sido um empate, se a conferência servia para anunciar o 11 da equipa ou se o Sporting não iria vencer o campeonato, tudo era feito “com tranquilidade”, “fundalmente”.

Melhor do que compilar estes momentos do antigo internacional português, deixamos um sketch dos Gato Fedorento que resume tudo.

José Mourinho – Balotelli e o cartão vermelho

José Mourinho tem uma carreira recheada de títulos e também de grandes momentos nas conferências de imprensa.

Desde comentários à arbitragem, passando por disputas com jornalistas, há vários momentos que acabam por ser engraçados.

Podíamos cair na tentação de destacar a célebre conferência de imprensa de apresentação no Chelsea, em que Mourinho se auto-intitulou de “especial” por ter ganho a Liga dos Campeões e passou a ser apelidado de “Special One”.

Mas não. Em vez disso, destacamos uma história engraçada que José Mourinho contou a um jornalista acerca de Mario Balotelli.

Houve um jogo em que Mario Balotelli, avançado treinado por Mourinho no Inter, recebeu um cartão amarelo aos 42 minutos. Mourinho passou quase todo o tempo ao intervalo a falar com o italiano, explicando que não tinha ninguém para o substituir e para ele não tocar em ninguém, não reagir à perda da bola ou a provocações.

Aos 60 minutos, Mario Balotelli levou o 2º amarelo. É a forma como Mourinho conta, preparando todos os detalhes, que torna o vídeo tão engraçado.

Micael Sequeira – “This system kill, mata o futebol usbeque”

Micael Sequeira já passou por várias equipas, mas o desafio de treinar o Lokomotiv Tashkent, no Uzbequistão, terá sido um dos mais afastados da realidade que o treinador conhecia até então.

Este caso tem semelhanças com o de Vítor Pereira, mas ao contrário do primeiro, Micael Sequeira tinha um tradutor à sua disposição.

A equipa também vinha de um jogo com decisões de arbitragem aparentemente injustas, com o técnico do Lokomotiv a queixar-se de o futebol uzbeque estar a ser morto pela arbitragem, não fazer parte da UEFA, estar a queimar dinheiro e nunca ir ao campeonato do mundo.

Novamente, o que torna a conferência de imprensa engraçada é a mistura de português com inglês quebrado, assim como as palmadas na mesa nos momentos mais importantes das declarações.

No final, o técnico ainda tentou cumprimentar o assessor, mas sem grande sucesso.

Publicidade, serviços e donativos

» Pode ativar rapidamente campanhas promocionais, assim como requisitar outros serviços em NotíciasdeAveiro.pt.

Aceder a plataforma online.

O Notícias de Aveiro tem canais próprios para informação não jornalística como é o caso deste artigo »» ler estatuto editorial.