Administrador judicial acusado de desviar 500 mil euros em silêncio no início do julgamento

1690
Palácio de Justiça, Aveiro.

Um jurista acusado de dois crimes de peculato no desempenho de funções como administrador judicial, que começou a ser julgado no Tribunal de Aveiro esta quinta-feira de manhã, comunicou que irá, nesta fase, remeter-se ao silêncio sobre os factos que lhe são imputados. A audiência prossegue com a produção de prova, ouvindo-se as primeiras testemunhas.

Segundo a acusação do Ministério Público (MP), o arguido, com escritório em Anadia, apropriou-se indevidamente de quase meio milhão de euros de empresas falidas.

Os factos remontam ao período entre março de 2015 e fevereiro de 2017, estando em causa quantias monetárias pertencentes a duas massas insolventes, num total de 495.058 euros. Os processos correram termos nos Juízos de Comércio de Coimbra e de Lisboa.

Para além da condenação criminal, foi igualmente formulado pelo MP um pedido de declaração de perda a favor do Estado da vantagem obtida pelo arguido com a prática criminosa, no aludido montante.

O arguido já teve de enfrentar outros processos por factos similares, por reter indevidamente verbas na ordem de milhares de euros destinadas a credores que depois fazia suas com sucessivos levantamentos.

Publicidade, serviços e donativos

» Está a ler um artigo sem acesso pago. Faça um donativo para ajudar a manter o NotíciasdeAveiro.pt de acesso online gratuito;

» Pode ativar rapidamente campanhas promocionais, assim como requisitar outros serviços.

Consultar informação para transferência bancária e aceder a plataforma online para incluir publicidade online.