Águeda: Eletrificação da Linha do Vouga e a ampliação do Museu Ferroviário

344
Museu ferroviário (Águeda).

A Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro (CIRA) e Comissão Diretiva do Programa Centro2030 (através da CCDR Centro) assinaram ontem, em Águeda, o Contrato para o Desenvolvimento e Coesão Territorial, que operacionaliza a estratégia de investimentos territoriais da Região de Aveiro. Entre os projetos anunciados, em concreto para Águeda, está a eletrificação da Linha do Vouga e a ampliação do Museu Ferroviário.

Está a ler um artigo sem acesso pago. Faça um donativo para ajudar a manter o jornal online NotíciasdeAveiro.pt gratuito.

A assinatura aconteceu a bordo do comboio histórico, que fez a ligação entre Macinhata do Vouga e Águeda, numa “viagem” onde foram traçadas as estratégias e metas da Região de Aveiro para implementar até 2030.

A receção decorreu no Museu Ferroviário, em Macinhata do Vouga, onde Jorge Almeida, Presidente da Câmara Municipal de Águeda, anfitrião deste evento – que juntou em Macinhata do Vouga os presidentes dos Municípios que constituem a CIRA, bem como Isabel Damasceno, presidente da CCDR Centro -, lembrou a aposta estratégica que “sempre assumiu” relativamente à Linha do Vouga.

Reconhecido como um defensor da Linha do Vouga, o Edil apontou os indicadores de utilização que atestam a importância desta via. “Neste momento, temos 11 comboios diários em cada sentido, entre Macinhata do Vouga e Aveiro, uma linha que, tal como está, com estas condições e sobretudo com o material circulante pesado e antigo que tem neste momento, cerca de um milhão de passageiros por ano”, enumerou Jorge Almeida, salientando que as melhorias esperadas com financiamentos no âmbito do novo quadro comunitário podem transformar a Linha do Vouga num verdadeiro metro de superfície.

As melhorias passam por um projeto entre o Município de Águeda e a CP, referente à relocalização de alguns apeadeiros, bem como pela supressão de passagens de nível, “que em Águeda está praticamente concluída”, a que acresce o projeto de eletrificação da linha, no valor de 40 milhões de euros, que se prevê ser apoiado no âmbito do contrato ontem assinado.

“Se conseguirmos tudo isto, depois aumentarmos a cadência (de circulação de comboios) e melhorarmos o material circulante, teremos aqui o que pode ser designado como metro de superfície”, declarou Jorge Almeida.

O Presidente da Câmara de Águeda anunciou que, também no quadro do contrato ontem assinado, está prevista a ampliação do Museu Ferroviário de Macinhata, para o triplo do que existe atualmente, que irá transformar este pólo numa referência museológica nacional. “Está aqui sediado o grande espólio da via estreita em Portugal”, afirmou, avançando que a Câmara já adquiriu os terrenos à volta do espaço, “tem o projeto concluído e vamos avançar com o procedimento”.

Anunciou ainda que, nas próximas semanas, a máquina que estava exposta na frente do edifício do museu, e que esteve a ser recuperada, vai regressar “a casa”. Contudo, será relocalizada e estará protegida para que não fique sujeita às condições do tempo.

Câmara de Águeda

Siga o canal NotíciasdeAveiro.pt no WhatsApp.

Publicidade e serviços

» Pode ativar rapidamente campanhas promocionais no jornal online NotíciasdeAveiro.pt, assim como requisitar outros serviços. Consultar informação para incluir publicidade online.

Comercio 780