500 anos de presépios de Natal expostos no Museu de Aveiro

1077
"Arte dos presépios nas coleções do Museu".
Dreamweb 728×90 – Video I

É já uma tradição em Aveiro. Alguns dos ‘tesouros’ religiosos das reservas do Museu Santa Joana fazem uma aparição durante o Natal.

Este ano, com um conjunto de gravuras, esculturas, pinturas e presépios alusivos à natividade, alguns dos quais raramente são expostos, tendo sido acrescentadas também obras de ceramistas locais contemporâneas.

Os visitantes são convidados a fazer uma viagem por 500 anos de presépios de Natal do espólio dos antigos conventos de Aveiro.

A exposição “Arte dos presépios nas coleções do Museu” é anunciada com um Anjo com uma seta a apontar para o “estábulo”, que simboliza o presépio.

José António Christo, diretor do Museu de Santa Joana, faz a primeira paragem na exposição de gravuras do século XVIII ao século XIX que decoram a parede. Exemplares que raramente ficam patentes ao público, até por serem muito sensíveis à luz.

“Muitas eram páginas arrancadas de bíblias, por exemplo. São todas personagens ou episódios associados à natividade, até chegar aos Reis Magos, que estão aqui retratados”, explica.

Já na sala principal, a mostra mais relevante tem logo na entrada um dos maiores ‘tesouros’ do museu.

“A nossa melhor peça, que representa uma cena da natividade, é um códice em pergaminho. Faz parte do conjunto da fundação do convento, do final do século XV, início do século XVI, produzido aqui, pelas freiras, uma iluminária espantosa”, apresenta o diretor.

Os presépios em maquineta do século XVIII são presença obrigatória, este ano complementados com uma coleção de moldes usados pelas freiras para fazer as figuras em barro.

Pinturas e esculturas antigas com a Sagrada Família, a que se  acrescentaram presépios da autoria de ceramistas contemprâneos, como Zé Augusto (já falecido) e Afonso Henrique, bem como exemplares da Vista Alegre, completam as peças de celebração do nascimento de Cristo no Museu de Aveiro, que podem ser apreciadas até 13 de janeiro.

Existe também um espaço em que os visitantes, especialmente os mais novos, são desafiados a fazerem o seu próprio presépio no âmbito de atividades de educação artística em contexto museológico.

Visita guiada com José António Christo (áudio)